[retroblog] Um dia como torcedor do Juventus

Texto originalmente publicado em 26/11/2002.

Este texto, além de ser publicado no blog antigo, também foi publicado no Portal da Mooca e no Balipodo, do Ubiratan Leal, grande amigo e companheiro nessa história.

Para quem não gosta de futebol, vou publicar o contexto desse causo, escrito pelo Ubiratan:

“O jogo Juventus x Fluminense ocorreu em 9 de agosto de 1998. Válido pela 2ª rodada da Série B, o Juventus ganhou por 1×0 em um gol irregular. A bola passou no meio das pernas do goleiro Ronaldo (ex-Corinthians), que ainda se recuperou e a pegou antes de cruzar a linha do gol. Mas não foi dessa forma que a equipe de arbitragem viu. Houve alguns incidentes com a torcida do Fluminense, que reclamou da diretoria e chegou a invadir o gramado para protestar. Nada contra os juventinos.

Ao final daquele campeonato, tanto Fluminense quanto Juventus estavam rebaixados para a Série C. As obras no estádio Municipal José Liberatti, de Osasco, já foram concluídas. De qualquer forma, apenas 1.518 pessoas presenciaram aquele jogo. Na Rua Javari cabem cerca de 4 mil espectadores.”

Estava lembrando hoje de uma história engraçadíssima. Há alguns anos atrás (gozado como essa história está cruzando a linha entre o “alguns anos atrás” e indo para o “muitos anos atrás”), quando o Fluminense estava disputando a segunda divisão do Brasileiro (1998, creio).

Ele ia jogar contra o Juventus em SP, e o Ubiratan levantou a lebre de irmos ao jogo.

Para quem não sabe o Juventus (famoso Moleque Travesso) é um dos times de futebol mais tradicionais de São Paulo, localizado no não menos tradicional bairro da Móoca, reduto italiano em SP, e local de onde vieram expressões pulistanas como “belo”, “mina”, “meu” e sua variante “ôrra meu”; enfim, um dos bairros mais bacanas da cidade (eu creio que tenha sido italiano em outra vida, não é possível). Para saber mais da Móoca, recomendo uma visita ao site Portal da Móoca, muito bem feito e um barato de se navegar.

Bom, após mais um momento Rodrigo de divagação, voltemos à história. O problema de se ver Juventus x Fluminense era que o jogo não aconteceria mais na Rua Javari, no simpático estádio do Juventus, e sim em Osasco, região da grande SP (o motivo para mim é desconhecido).

Bom, era para ser um problema, mas o Juventus diponibilizou 2 ônibus para a torcida viajar pra Osasco, e lá fomos nós. Desnecessário dizer que a torcida do Moleque Travesso mal ocupa um ônibus, quanto mais 2, mas os dois fizeram a viagem, para impor o respeito que o time merece e fazer a devida pressão psicológica no adversário (que só tinha levado um ônibus, veja só).

O melhor dessa estória reside nas viagens de ida e de volta. Lá, conhecemos o responsável pela Ju-Jovem, torcida uniformizada do Juventus, um cara chamado de Serjão, e que um paulistano não levaria 2 minutos de conversa para ter certeza que ele vinha da Móoca. O gestual, o jeito de falar, tudo nele transpirava suor italiano (confere o figura aí na foto do lado).

Da Rua Javari até Osasco, ele soltou uma série de discursos contra diretoria, contra jogador, contra técnico, com a autoridade de quem se mata pelo time. Foram criados alguns cantos de guerra para esquentar os ouvidos desses citados, mas o mais legal é que todos eram de uma educação impressionante: sem palavrões, sem palavras chulas, como se eu estivesse em 1950, quando se ia de estádio com chapéu e briga na torcida era algo que não existia.

Bom, 1 milhão de “nego”, “belo”, “ôrra” depois, chegamos em Osasco. O estadio era municipal, mas duvido muito que fosse o principal da cidade. Hmmmm, duvido que fosse estádio, parecia a sede de um time de várzea (tipo o Clube do Mé, aqui em SP). O jogo passa normalmente, as cantos anti jogadores e técnico foram substituídos por pura paixão ao grená juventino, o que foi muito bom de se ver.

Fim de jogo, 1×0 para o Juventus. O Serjão, que teve comportamento exemplar durante o jogo, se altera de uma hora para outra, gritando para todos:

“VAMO EMBORA QUE OS CARAS DO FLUMINENSE QUEREM PEGAR A GENTE!!!!”

O mais engraçado é que eu via a torcida do Fluminense saindo tranquilamente pela saída oposta àquela onde estava nosso ônibus esperando. Tudo bem, tudo em nome da diversão, entrei no clima de desespero. Eu vi velhinhos, criancas, todo mundo corrrendo loucamente para o ônibus, e ao chegar lá, o Serjão foi taxativo:

“TOCA AÍ, VAMO EMBORA LOGO!!!!”

Nada é como nos filmes, e o motorista ainda esperou algumas pessoas entrarem no ônibus antes de dar partida e sair tranquilamente (parecia estar acostumado com a paranóia da saída de jogo). Então, indo embora, o Serjão intervém mais uma vez:

“CADÊ O VICENTE?????? ELE NÃO ENTROU NESSE ÔNIBUS?????”

Ele desce correndo, parte para o front e traz de volta um senhor idoso, que estava pacientemente esperando o ônibus encostar após o jogo. Eu não consegui agüentar, ri loucamente no fundo do ônibus, em um volume seguro, até porque não queria ser largado lá. A cena mais uma vez se repete, e entram no veículo uma menina e o pai dela.

Na volta, foi só passeio e mais discurso. Ainda falamos com um jornalista que cobre os jogos do time e que apresenta um programa do Juventus em uma rádio de SP (não lembro do nome, desculpem), e fechamos o passeio nesse túnel do tempo que é o Clube Atlético Juventus…

Anúncios

One thought on “[retroblog] Um dia como torcedor do Juventus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s