Uma de trabalho

Vou contar talvez o momento mais bizarro que já participei em algum emprego meu. Alguns que me conhecem já ouviram essa história, e não se cansam de ouvir. Então, vou compartilhar. Porém, nomes foram trocados por siglas para proteção dos culpados e delírio dos inocentes.

Tenho já 10 anos trabalhando como publicitário formado, e profissional de marketing por experiência. Desses, 5 anos foram como consultor, sendo quase 3 na PA.

O principal diretor da PA era o C. Esse merecia um blog somente para ele, para poder esmiuçar todas as nuances de seu comportamento errático, suas tempestades de humor e aquele ar de brutalidade que permeava cada instrução sua.

C era malévolo no tocante a relações trabalhistas. Cortava férias na véspera, contava os segundos que você saiu antes do horário ao mesmo tempo que exigia horas a mais sem pagar; enfim, o chefe monstro perfeito. Uma das grandes contribuições de C para a CLT eram as reuniões de sábado.

Um pouco depois de minha entrada na PA, J era o gerente a quem me subordinava. J conseguiu emprego em outra firma, e comprometeu-se com C a fechar todas as pontas soltas de seu trabalho até tal dia. Eu me ofereci (fui oferecido, na verdade) para auxiliá-lo na mega tarefa.

Chegou o dia da última reunião entre J e C. Desnecessário dizer que era um sábado.

Na longa mesa de reunião, ficamos eu e J de um lado da mesa, e C do outro. J começa a presentar as atividades realizadas no período. As pontas soltas foram se fechando e de repente J para de falar. C olha para J e disse: “cadê isso, isso e isso?”.

J responde “não deu tempo de fazer, C. Mas está bem encaminhado, o Rodrigo pode tocar o resto”. C ficou vermelho. Eu olhava para o jardim do lado de fora e pensava pensmentos bonitos, para fugir daquilo…

“J, o que foi que combinamos?”
“C, eu sei o que combinamos, mas não deu tempo, era coisa demais…”
“O…QUE…FOI…QUE…COMBINAMOS?!?!?!”
“Que eu ia fechar tudo. Mas não deu…”
“ENTÃO CADÊ TUDO?!?!?!?!!? ONDE ESTÁ O QUE COMBINAMOS?!?!?”

J era meio bundão, mas todo homem tem seu limite. Naquela hora, tudo que eu queria era um LSD na minha frente, para botar na boca e viajar para longe. J tomou a rédea:

“Primeiro, fale mais baixo. Segundo, deixei a maior parte das coisas encaminhadas, não tem nada que não possa ser terminado internamente na PA”.
“Não me interessa!!! Nós combinamos uma coisa e você não me entregou nada!!!!” – C gritava menos, talvez carregando o próximo estouro.
“Olha C, é impossível que você não tenha um idiota aqui que possa terminar o pouco que eu deixei” – ele não olhou para mim, mas ficou bem claro que o idiota era eu.
“CHEGA!!!” – Viu? Mais um estouro. – “ESSA REUNIÃO ACABOU!! VAI EMBORA, QUE NÃO TENHO MAIS NADA PARA FALAR COM VOCÊ!!!”

Antes de C dizer “você”, perdão, “VOCÊ!!!”, eu já estava voando para a minha sala, que ficava nos fundos da casa-sede da PA. Arrumando minhas coisas, ouvi gritos.

No vizinho? Só nos meus sonhos.

J e C entraram em um bate-boca, que para mim ainda era na sala de reunião, ao lado e embaixo da minha sala.

Ilusão; era na frente da recepção, uns bons 20 metros à frente. Só para dar idéia do volume. Quando cheguei na frente da empresa, vi J no primeiro andar e C no alto das escadas que davam para sua sala. A conversa continuou assim:

“CALA A BOCA, NÃO QUERO SABER DE MAIS NADA DE VOCÊ!!! VAI EMBORA!!”
“Não grita comigo; me respeita, que nem funcionário seu sou mais para ficar agüentado esssa má educação!!!”
“ENTÃO VAI EMBORA!!! NÃO TEM CONVERSA COM VOCÊ!!!”
“Nossa, o GRANDE C não tem ninguém para fazer o que eu deixei?!?!?”

Nisso, (o grande) C já tinha ido para sua sala.

J resolveu virar homem na hora errada e gritou:

“ENTÃO O GRANDE C É UM IDIOTA!!!”.

Fiquei bobo. Juro que quase dei uma mijadinha nas calças.

J deu um tapa nas minhas costas. Olhei para ele saindo pela porta de entrada. Ele olhou para mim e fez uma cara de “sou fodão” (e era mesmo), e saiu.

Ouvi um barulho no segundo andar. Quando viro, vejo C descendo as escadas, de 2 em 2 degraus, pulando. Ele passa por mim fazendo ventania. Quando me cai a ficha do porquê ele estava correndo para a porta da firma, corro atrás e o vejo agarrando J pelo colarinho, aos berros:

“SEU FILHO DE UMA PUTA!!! EU VOU ACABAR COM VOCÊ!!! SEU DESGRAÇADO!!! FALA DE NOVO NA MINHA CARA!!!”

Vamos manter o suspense e só situar vocês sobre a localização da PA. Como era sábado à tarde, vocês imaginam que não havia quase ninguém na rua para presenciar a cena, certo?

Errado.

A PA ficava de frente para um cabelereiro, ao lado de outro e próxima de várias lojas de roupas femininas. A rua encheu de gente um 2 minutos depois do ataque verbal e físico de C. Muitas mulheres nem mesmo tiraram o papel alumínio dos cabelos e o algodão dos dedos do pé; saíam dos salões como alienígenas que andavam duro.

Voltando a esse ataque, depois que eu vi que C faria algo drástico (as palavras doces foram um bom indicador), eu fui lá para apartar. Minha natureza é pacífica, mas sempre fui um cara grande. Cheguei lá crente que era só me impor, separar os dois e pronto.

Mas ignorei a força da loucura. C me deu um safanão que me jogou de bunda no chão. A galera vibrou; é provável que eu tenha ouvido um “se fodeu, gordinho”. Nessa hora, liguei o foda-se e fiquei sentado esperando as próximas cenas. Já estava excedendo meu dever.

J deveria me agradecer por ajudá-lo a ganhar uns segundos preciosos, pois L, esposa de C na época, estava no escritório também e saiu depois que meus glúteos beijaram o chão. Um timing horrível. Se depois de 15 minutos de bate-boca e ameaças ela não saiu, que ficasse lá dentro.

De qualquer maneira, ela se aproximou da cena como um domador da jaula do leão, o que me levou a uma conclusão aterradora: não era a primeira vez que C tomava uma atitude dessas. A experiência de L ao lidar com o transe psicótico do marido era claro indicador.

L conversou com C, que largou J. J não era (de todo) imbecil, e correu para o carro, cantando pneu. C correu para a rua (imagina se alguém ficou no caminho), e girou para o carro que fugia:

“EU VOU DESCOBRIR ONDE VOCÊ TRABALHA, SEU FILHA DA PUTA!!!”

L foi buscar C na rua. Eu levantei. Estava doido para buscar minhas coisas e ir embora, então cheguei primeiro na porta. Ela não abria. Era daquelas portas que trancavam quando você batia. Pedi para L a chave, e ela responde: “ihhh, deixei lá dentro”.

Não tive dúvidas: fui para casa. Correndo.

Anúncios

2 thoughts on “Uma de trabalho

  1. Uehauioehiaea!

    Muito firme a estória. E a narrativa. Não sei se vale a pena fazer algum comentário sobre esse “tipo de gente”. Mas enfim, acho que é realmente um tipo mais ou menos comum, lamentavelmente. Esse tipo valeu pra entreter. Imagino as outras estórias. Realmente deve merecer um blog só para si.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s